sábado, 9 de julho de 2016

Credo ou caos

E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo. Do pecado, porque não creem em mim; Da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais; E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado.
João 16:8-11
Para os cristãos, falar sobre a importância da moralidade cristã é pior do que inútil se não estiverem preparados para defender suas posições tomando como fundamento a teologia cristã. É uma mentira dizer que o dogma não tem importância; o dogma tem uma importância imensa. É fatal deixar as pessoas suporem que o cristianismo é só uma maneira de sentir; é uma necessidade vital insistir que [o cristianismo] é, em primeiro lugar e acima de tudo, uma explicação racional do universo. É inútil oferecer o cristianismo como uma aspiração vagamente idealista de tipo simples e consolador; ele é, pelo contrário, uma doutrina sólida, robusta, minuciosa e complexa, impregnada de um realismo enérgico e intransigente. E é fatal imaginar que todo mundo sabe muito bem o que o cristianismo é e que basta incentivar sua prática. O fato brutal é que neste país cristão nem uma pessoa em cem tem a menor noção do que a Igreja ensina acerca de Deus, ou do homem, ou da sociedade, ou da pessoa de Jesus Cristo.
Se você acha que estou exagerando, pergunte aos capelães do exército. Com exceção do possível um por cento de cristãos inteligentes e instruídos, há três tipos de pessoas com que temos de lidar. Há os que são franca e abertamente pagãos, cujas noções de cristianismo são um amontoado terrível de trapos e farrapos de histórias bíblicas e pura besteira mitológica. Há os cristãos ignorantes, que combinam o sentimentalismo de um Jesus pacífico e bonzinho com uma ética vagamente humanista – a maioria destes são hereges arianos.[2] Por fim, há os frequentadores de igrejas mais ou menos instruídos, que conhecem toda a discussão acerca do divórcio, da confissão auricular e da comunhão sob as duas espécies [o pão e o vinho], mas estão quase tão bem equipados para a batalha sobre os fundamentos contra um ateu marxista ou um agnóstico wellsiano quanto um garotinho com uma zarabatana que enfrenta alguém que porte uma metralhadora. Teologicamente, no momento, este país está num estado de caos absoluto, instituído em nome da tolerância religiosa, degenerando-se a passos largos na fuga da razão e na morte da esperança. Não estamos felizes nesta situação, e sobretudo entre os mais jovens há sinais de grande ânsia de encontrar um credo a que possam aderir de todo o coração.
Esta é a oportunidade da Igreja, se esta resolver aproveitá-la. Enquanto a disposição das pessoas para ouvir passa, ela não tem estado numa posição muito boa por pelo menos dois séculos. As filosofias rivais do humanismo, do egoísmo esclarecido e do progresso mecânico fracassaram redondamente; o antagonismo da ciência provou-se mais aparente que real; e a doutrina otimista do laissez-faire está totalmente desacreditada. No entanto, nenhum bem será feito pelo recolhimento à piedade pessoal ou pela mera exortação a um retorno à oração. O que está em perigo é toda a estrutura da sociedade, e é necessário persuadir homens e mulheres de pensamento da relação íntima e vital entre a estrutura da sociedade e as doutrinas teológicas do cristianismo.
A tarefa não é facilitada pela recusa obstinada de uma grande massa de cristãos nominais, tanto leigos como clérigos, de enfrentar a questão teológica. “Levem embora a teologia e deem-nos uma religião agradável” tem sido um slogan popular por tanto tempo que estamos propensos a aceitá-lo, sem questionar se religião sem teologia tem algum sentido. E, por mais impopular que me torne, devo afirmar, e o farei, que a razão por que as igrejas estão desacreditadas hoje não é que sejam intransigentes demais quanto à teologia, mas, antes, porque têm fugido da teologia. A Igreja Católica é uma sociedade teológica – num sentido em que a Igreja da Inglaterra, tomada como um todo, não o é – e, por causa dessa insistência da teologia, é um corpo disciplinado, honrado e sociologicamente importante.
Gostaria de fazer duas coisas. Primeiro, apontar que, se realmente queremos uma sociedade cristã, temos de ensinar o cristianismo, e é absolutamente impossível ensinar cristianismo sem ensinar o dogma cristão. Em segundo lugar, colocar diante de vocês uma lista de meia dúzia dos principais pontos doutrinários que o mundo precisa, de um modo todo especial, ter martelado em seus ouvidos neste momento – doutrinas esquecidas ou mal interpretadas mas que (se são tão verdadeiras quanto a Igreja sustenta) são as pedras angulares daquela estrutura racional da sociedade humana que é a alternativa ao mundo do caos.
Começarei com a questão da inevitabilidade do dogma, se o cristianismo há de ser mais do que um pensamento brando, trivial e autoiludido sobre o comportamento ético.
Escrevendo em The Spectator, o Dr. Selbie, ex-diretor do Mansfield College, discutia sobre “O Exército e as Igrejas”. No meio do artigo há uma passagem que expõe a causa fundamental do fracasso das igrejas em influenciar a vida das pessoas comuns:
[…] a ascensão de um novo dogmatismo – seja calvinista, seja tomista – constitui uma ameaça séria e renovada à unidade cristã. A tragédia é que tudo isso, embora de interesse dos teólogos, é extremamente irrelevante para a vida e para o pensamento do homem médio, que fica mais confuso pela desunião das igrejas e pelas diferenças teológicas e eclesiásticas nas quais se baseiam.
Estou agora inteiramente disposta a concordar que as disputas entre igrejas constituem uma ameaça à Cristandade. E admitirei não ter muita certeza do que se pretende dizer com “novo dogmatismo”; pode ser, suponho, o surgimento de novos dogmas entre os seguidores de Santo Tomás e de Calvino, respectivamente. Mas, antes, imagino que quer dizer uma atenção renovada ao velho dogma, uma reafirmação dele, e que quando diz que tudo isso é irrelevante para a vida e para o pensamento do homem médio, o Dr. Selbie está deliberadamente dizendo que o dogma cristão, como tal, é irrelevante.
Mas se o dogma cristão é irrelevante para vida, para que, pelo amor de Deus, ele é relevante? – uma vez que o dogma religioso não é senão uma declaração das doutrinas concernentes à natureza da vida e do universo. Se os ministros cristãos realmente creem que [o dogma] é apenas um jogo intelectual para teólogos e não tem nenhum apoio na vida humana, não é de surpreender que suas congregações estejam ignorantes, entediadas e confusas. E, na verdade, no parágrafo imediatamente seguinte, o Dr. Selbie reconhece a relação do dogma cristão com a vida:
[…] a paz só pode dar-se por meio da aplicação prática dos princípios e valores cristãos. Mas isso deve ter por trás algo mais do que a mera reação contra aquele humanismo pagão que tem sido insatisfatório.
O “algo mais” é o dogma, e não pode ser nenhuma outra coisa, pois entre humanismo e cristianismo e entre paganismo e teísmo não há distinção alguma senão uma distinção de dogma. Que não se pode ter princípios cristãos sem Cristo fica cada vez mais claro, porque sua validade como princípios depende da autoridade de Cristo; e, como vimos, os estados totalitários, tendo deixado de crer na autoridade de Cristo, estão logicamente justificados em repudiar os princípios cristãos. Se se exige do homem médio que creia no Cristo e aceite sua autoridade sobre os princípios cristãos, é decerto relevante perguntar quem ou o que é o Cristo, e por que Sua autoridade deve ser aceita. Mas a pergunta “O que pensamos de Cristo?” chega ao homem médio junto com o tipo mais espinhoso de mistério dogmático. É absolutamente inútil dizer que não interessa de modo particular quem ou que era o Cristo ou com que autoridade fez aquelas coisas, e que mesmo se fosse apenas um homem, era um homem muito bom e devemos viver segundo seus princípios; pois isso é meramente humanismo, e se o homem médio na Alemanha decide pensar que Hitler é um tipo de homem mais perfeito, com princípios ainda mais atraentes, o humanismo cristão não tem resposta a dar.
Não é verdade de maneira alguma que o dogma é extremamente irrelevante para a vida e para o pensamento do homem médio. A verdade é que ministros da religião cristã frequentemente declaram que ele o é, apresentam-no para exame como se o fosse e, de fato, por sua exposição falha, tornam-no assim. O dogma central da Encarnação é aquele pelo qual a relevância se sustenta ou rui. Se fosse apenas homem, Cristo seria irrelevante a qualquer pensamento sobre Deus; se fosse apenas Deus, então seria inteiramente irrelevante para qualquer experiência de vida humana. No sentido mais estrito, é necessário à salvação da relevância que um homem acredite corretamente na Encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo. A menos que creia corretamente, não há o menor motivo para que creia de qualquer outra maneira. E, nesse caso, é inteiramente irrelevante tagarelar sobre princípios cristãos.
Se o homem médio vai interessar-se por Cristo de todo modo, é o dogma que fornecerá o interesse. O problema é que, em nove de dez casos, nunca lhe foi oferecido o dogma. O que lhe tem sido oferecido é um conjunto de termos técnicos teológicos que ninguém assumiu a tarefa de traduzir numa linguagem relevante para a vida comum.
“… Jesus Cristo, o Filho de Deus, é Deus e homem”. O que isso sugere senão que Deus, o Criador (o velho irritadiço de barba branca), de alguma maneira misteriosa gerou na Virgem Maria algo anfíbio, nem uma coisa nem outra, como um tritão? E, assim como os filhos humanos, inteiramente distinto e (com alguma vênia) provavelmente antagônico ao pai? E o que, em todo caso, esse híbrido notável tem que ver com o Zezinho ou com a Mariazinha? Essa atitude de espírito é o que os teólogos chamam de nestorianismo, ou talvez uma forma degradada de arianismo. Mas realmente não podemos dar um rótulo técnico e pô-lo de lado como algo irrelevante para o pensamento do homem médio. Foi o homem médio quem o produziu. É, na verdade, uma expressão imediata e simplória do pensamento do homem médio. E sob o risco de mergulhá-lo na abominável heresia do patripassianismo ou do teopasquismo, devemos unir-nos a Atanásio para assegurar a Zezinho e Mariazinha que o Deus que viveu e morreu no mundo era o mesmo Deus que fez o mundo e que, portanto, o próprio Deus tem as melhores razões possíveis para compreender e simpatizar-se com os problemas pessoais de quem quer que seja.
“Mas”, Zezinho e Mariazinha logo objetarão, “para ele não importava muito se era Deus. Um deus não pode sofrer realmente como você e eu. Ademais, o ministro diz que devemos tentar ser como Cristo; mas isso é uma insensatez – não podemos ser Deus e é tolice pedir-nos que tentemos”. Essa hábil exposição da heresia eutiquiana mal pode ser descartada como meramente “interessante para teólogos”; parece interessante a Zezinho e Mariazinha ao ponto de irritá-los. A contragosto, somos forçados a envolver-nos ainda mais em teologia dogmática e insistir em que Cristo é Deus perfeito e homem perfeito.
Neste ponto, a linguagem pode trair-nos. O homem médio não deve ser impedido de pensar que “Deus perfeito” implica uma comparação com deuses menos perfeitos, e que “homem perfeito” significa “o melhor tipo de homem que se pode ter”. Embora ambas as proposições sejam absolutamente verdadeiras, não são exatamente o que queremos transmitir. Talvez seja melhor dizer, “inteiramente Deus e inteiramente homem” – Deus e homem ao mesmo tempo, em cada aspecto particular e também no todo; Deus de eternidade a eternidade e do ventre ao sepulcro e também homem, do ventre ao sepulcro e agora.
“Tudo muito bem”, responde Zezinho, “mas isso me é indiferente. Porque, se ele era Deus todo o tempo, deve ter tomado conhecimento de que seu sofrimento, morte, etc., não durariam, e ele podia tê-los interrompido por milagre, se quisesse, de maneira que sua pretensão de ser um homem comum não é outra coisa se não puro teatro”. E Mariazinha acrescenta: “Você não pode chamar uma pessoa de ‘inteiramente homem’ se ele era Deus e não quis fazer nada errado. Era fácil para ele ser bom, mas para mim não é, de jeito nenhum. E quanto a todas as tentações? Encenação de novo. Não me ajuda viver o que você chama de vida cristã”.
Zezinho e Mariazinha estão agora no caminho de tornarem-se apolinarianos convictos, um fato que, embora interessante aos teólogos, tem relevância distinta também para a vida do homem médio, uma vez que propõem, com base nele, descartar os princípios cristãos como impraticáveis. Não há ajuda possível. Temos de insistir em que Cristo tinha uma alma racional bem como carne humana; temos de admitir as limitações humanas do conhecimento e do intelecto; temos de aceitar uma pista do próprio Cristo e sugerir que os milagres pertencem ao Filho do Homem bem como ao Filho de Deus; temos de postular uma vontade humana sujeita à tentação; e temos de ser muito firmes quanto a “igual ao Pai no tocante a sua divindade e inferior ao Pai no tocante a sua humanidade”. Complicada como a teologia é, o homem médio tem caminhado direto ao coração docredo atanasiano, e somos obrigados a seguir.
Professores e pregadores nunca, eu acho, deixam claro o suficiente que dogmas não são um conjunto arbitrário de regras inventadas a priori por um comitê de teólogos deleitando-se numa luta livre dialética. A maioria deles foram forjados sob a pressão da necessidade prática urgente de oferecer uma resposta à heresia. E heresia é, em grande medida, como tenho tentado mostrar, a expressão da opinião do homem médio não instruído, tentando enfrentar os problemas do universo a partir do ponto em que começam a interferir na vida e no pensamento cotidianos. Para mim, comprometida com minha ocupação diabólica de seguir o vai e vem do mundo e caminhar para cima e para baixo nele, conversas e correspondências trazem diariamente um recorte magnífico de todas as heresias padrão. Estou muito bem familiarizada com elas como exemplos práticos da vida e do pensamento do homem médio, embora tenha de pesquisar numa enciclopédia para enquadrá-las nos rótulos teológicos adequados para os fins deste discurso. Para respondê-las, no entanto, não preciso ir tão longe; estão concisamente apresentadas nos credos.
Mas um fato interessante é o seguinte: que nove entre dez dos meus hereges ficam surpresíssimos em descobrir que os credos contêm declarações dotadas de um sentido prático e compreensível. Se lhes digo que é um artigo de fé que o mesmo Deus que fez o mundo suportou o sofrimento do mundo, perguntam na mais perfeita boa fé que relação há entre aquela declaração e a história de Jesus. Se chamo-lhes a atenção ao dogma de que o mesmo Jesus que era o amor divino era também luz de luz, a sabedoria divina, surpreendem-se. Alguns deles me agradecem sinceramente por essa interpretação de todo nova e original das Escrituras, da qual nunca ouviram antes e supõem que eu a inventei. Outros dizem com irritação que não gostam de pensar que sabedoria e religião têm algo que ver uma com a outra, e que eu faria muito melhor em romper com a sabedoria, com a razão e com a inteligência e apegar-me a um simples evangelho de amor. Mas, satisfeitos ou incomodados, estão interessados; e o que lhes interessa, quer suponham ser invenção minha quer não, é a resoluta afirmação do dogma.
Quanto à queixa do Dr. Selbie de que a insistência no dogma somente afronta as pessoas e evidencia as lutas mortais da Cristandade, posso dizer duas coisas? Primeiro, creio ser um equívoco grave apresentar o cristianismo como algo atraente e popular sem nada ofensivo. Vendo que o Cristo veio ao mundo trazer a mais violenta ofensa a todos os tipos de pessoas, pareceria absurdo esperar que a doutrina de sua pessoa pudesse ser apresentada sem ofender ninguém. Não podemos ignorar o fato de que o Jesus gentil, meigo e manso, era tão rígido em suas opiniões e tão inflamado em sua linguagem que foi expulso da igreja, apedrejado, caçado por toda parte e, enfim, levado ao madeiro como um agitador ou uma ameaça pública. O que quer que fosse sua paz, não era a paz de uma indiferença cordial; e ele disse em muitas palavras que o que ele trouxe consigo foi fogo e espada. Sendo assim, ninguém precisa ficar muito surpreso ou desconcertado ao constatar que determinada pregação do dogma cristão pode às vezes resultar numas poucas cartas irritadas de protesto ou numa diferença de opinião sobre o concílio eclesiástico.
A outra coisa é: percebo pela experiência que há uma medida muito grande de concórdia entre as denominações cristãs sobre todas as doutrinas que são realmente ecumênicas. Uma interpretação rigidamente católica dos credos, por exemplo – incluindo o credo atanasiano – encontrará apoio tanto em Roma quanto em Genebra. As objeções virão principalmente dos pagãos, e de um ramo ruidoso mas não muito representativo de pastores heréticos que uma vez em sua juventude leram Robertson ou Conybeare e nunca se recuperaram. Mas o que é urgentemente necessário é que certos fundamentos sejam reafirmados em termos que tornem seu sentido – e aliás o mero fato de que eles têm um sentido – importante para os pagãos não instruídos e comum para aqueles a quem a linguagem técnica teológica tornou-se letra morta.

Extraído do ensaio intitulado Creed or Chaos?, publicado no livro Letters to a Diminished Church(2004).
_________________________________________
[1] Dorothy L. Sayers (1893–1957) foi uma escritora de romances policiais, poetisa, dramaturga, ensaísta, tradutora e humanista cristã. Sua obra A Mente do Criador foi recentemente publicada no Brasil pela É Realizações Editora.
[2] Ou possivelmente adocionistas; eles não formulam suas teorias com grande precisão. [A autora menciona outras heresias cristológicas dos primórdios da era cristã. Como ficará claro, a datação e a definição precisas são desnecessárias para os fins deste texto, por isso não me dei o trabalho de inserir notas explicativas. (N. T.)]
 Fonte: http://esbocoserascunhos.blogspot.com.br/2016/06/credo-ou-caos.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba no seu e-mail informações de Presentia

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...