sábado, 21 de janeiro de 2017

Sacerdotes, Uber e Reforma Protestante


Estamos vivendo em um momento que pode ser chamado de uberização da sociedade. A palavra não é reconhecida como expressão válida da língua portuguesa pelo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP), mas tem sido amplamente usada para descrever um novo conceito de fazer negócios que conecta consumidores com produtores de bens ou prestadores de serviços de forma mais rápida e sem intermediários. O termo é uma alusão ao mais conhecido aplicativo para conectar pessoas a proprietários de automóveis que oferecem transporte alternativo aos convencionais. Apesar de ser o mais polêmico, o Uber não é o único aplicativo do gênero e nem o transporte urbano é o único setor atingido por essa transformação. Isso tem reflexos em diversas áreas profissionais e é um caminho sem volta. As pessoas estão se aproximando do que precisam por meio desses aplicativos sem os caminhos convencionais.

Naturalmente isso tem reflexos na igreja e na nossa fé. Talvez o fenômeno em si não seja novo. A sociedade já passou por transformações semelhantes. Mesmo a igreja já passou por isso. Em certo sentido, e guardada as devidas proporções, quando Martinho Lutero desencadeou a Reforma Protestante – que esse ano completa 500 anos –, ele abriu caminho para a leitura da Bíblia, a confissão de pecados, o recebimento da graça divina, de certo modo, sem a mediação da instituição religiosa que monopolizava o perdão.

Ironicamente, em alguns setores do cenário evangélico brasileiro, vivemos um processo de sacerdotatização da fé. Indivíduos são levados a crer que seu líder, pastor, bispo ou apóstolo são os que ‘dão cobertura espiritual’ para o crente e que o bem estar do crente depende do grau de espiritualidade de seu líder. Sem essa cobertura o crente fica sujeito a ataques do inimigo. Nos meios tradicionais essa sacerdotatização se expressa na institucionalização das práticas da fé de modo que qualquer experiência fora da prática daquela denominação ou comunidade é tida como herética. Qualquer experiência que não expresse a essência doutrinária da igreja deve ser repelida.

Isso tem levado a um abuso religioso comparável ao que a igreja medieval fazia com os fiéis. Dizer nesses casos que Jesus é o único mediador entre nós e o Pai soa heresia e rebeldia contra o ‘servo ungido’ do Senhor ou contra a doutrina e instituição eclesiástica. Nessas situações a uberização da fé é bem vinda. Precisamos relembrar e reafirmar os principais postulados da Reforma que rompe com a mediação da instituição religiosa e proclama a mediação única de Jesus Cristo, o único que pode oferecer expiação, que literalmente significa ‘cobertura’ espiritual para o crente.

É preciso fazer valer a essência do evangelho e do reino de Deus. O discípulo de Jesus vive em comunhão com Deus e com seu povo, porém, não de forma opressora e que o afaste de Deus e da comunidade. Precisamos de comunidades que exaltem a primazia de Cristo como nosso sumo sacerdote.

Por Billy Lane
Ultimato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba no seu e-mail informações de Presentia

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...