quarta-feira, 8 de março de 2017

Vozes femininas na Reforma


A história positivista, escrita por mãos masculinas e enfocando grandes acontecimentos e personagens, esqueceu ou não se importou de mencionar a participação das mulheres na reforma religiosa do século XVI. Foram poucas e pequenas as menções sobre elas. Portanto, para uma escrita mais verdadeira da História é necessário resgatar essa valiosa contribuição feminina, porque quando a história é contada pela metade não está completa.

Na época da Reforma, bastava que as mulheres soubessem fiar, cuidar dos trabalhos da casa e de maneira alguma se intrometer em assuntos da fé. Porém, o sentimento religioso estava presente em muitas delas e, ao tomarem conhecimento das novas da Reforma, as aceitaram e batalharam por divulgar sua mensagem.

Contudo, embora relevante, a participação feminina no movimento foi diferente, pois não produziu grandes tratados teológicos e nem atuou em sérios debates. As mulheres preferiram uma abordagem mais branda, através de uma literatura mais íntima. 
Nesse artigo serão apresentadas algumas mulheres que realmente contribuíram para a divulgação do movimento por seu envolvimento no meio eclesiástico ou político. Suas vozes serão ouvidas através de suas frases.

Marie Dentière (1495-1562), teve seu nome inscrito no muro dos reformadores em Genebra, em 2002. Ex-prioresa das agostinianas, após ficar viúva, casou-se com o companheiro de Farel, o reformador Froment, com quem foi para Genebra defender a causa reformista. A carta que escreveu para rainha Margarida de Navarra foi considerada um tratado teológico. Nela discorreu sobre a importância de mulheres não enterrarem seus talentos: "Se Deus tem dado graça a algumas boas mulheres, revelando-lhes algo santo e bom através de suas Escrituras Sagradas, podem elas, por causa dos difamadores da fé, absterem-se de pôr no papel, falar ou declarar isto umas às outras? Ah! Pode ser muito imprudente esconder o talento que Deus nos tem dado, nós que deveríamos ter a graça de perseverar até o fim”.

Catherine Zell (1497-1562), esposa do pastor luterano Matheus Zell, escreveu panfletos para propaganda da Reforma. Com inteligência e sabedoria, ela confrontava perspicazmente com a Bíblia a doutrina do sacerdócio de todos os crentes. Ao ser considerada uma perturbadora da paz, declarou: "Eu sou uma perturbadora da paz? Sim, de fato, da minha própria paz. Vocês chamam isso de paz? A perturbadora que ao invés de gastar seu tempo em divertimentos frívolos, visitou os infestados pela praga e realizou enterros? Tenho visitado os presos sob sentença de morte. Passo, muitas vezes, três dias e três noites sem comer e dormir. Eu nunca usurparia o púlpito, mas eu tenho feito mais do que qualquer ministro ao visitar os miseráveis. É isto que perturba a paz da igreja? Como fez o apóstolo Paulo em 2 Coríntios, as falsas acusações forçam a ‘loucura da auto-defesa’, mas sempre com o propósito de defender um direito da mulher ao ministério bíblico”. 
Árgula von Grumbach (1492-1554), bávara erudita, escritora de panfletos, que defendeu veementemente a Reforma e os reformadores. Em sua apologia argumentou à Universidade de Ingolstadt: “Vocês desejam destruir toda a obra de Lutero. Nesse caso destruiriam o Novo Testamento que ele traduziu. Nos escritos de Lutero e Melanchton, não existe nenhuma heresia (...). Estou disposta a ir à Alemanha discutir com vocês e não precisam usar a tradução da Bíblia de Lutero. Podem usar a católica que foi escrita há 31 anos”.

Margarida de Navarra (1492-1549), irmã do rei Francisco I da França e esposa do rei Henrique II de Navarra. Ela acolheu em seu reino reformadores e eruditos perseguidos, entre eles o próprio Calvino. Entre suas obras, encontram-se um poema espiritual: O Espelho das almas pecadoras e um livro de contos O Heptameron, no qual denunciou a imoralidade de clérigos que, indignados, tentaram matá-la. Fez mudanças eclesiásticas em seu reino: celebração da ceia em duas espécies, cultos na língua do povo, abolição do celibato e das roupas litúrgicas dos ministros. Seu maior destaque, contudo, foi sua grande humanidade, a ponto de preferir ser chamada a primeira-ministra dos pobres. Sobre ela foi escrito: “Lembremo-nos sempre dessa graciosa Rainha de Navarra em cujos braços nosso povo, ao fugir da prisão ou da fogueira, encontrou segurança, honra e amizade. Nossa gratidão a vós, querida Mãe de nossa Renascença!. Vossa casa foi a casa de nossos santos e vosso coração o ninho de nossa liberdade”. 

Joana d’Albret (1528-1572), filha de Margarida de Navarra e mãe do rei Henrique IV, que concedeu a liberdade religiosa na França. Foi a reformadora do seu reino e líder dos huguenotes. Ela confiscou os bens da igreja e distribuiu aos pobres, aboliu as procissões públicas, retirou imagens e suprimiu missas. Fundou a Faculdade em La Rochelle, um centro de piedade evangélica. Foram suas palavras: “A Reforma parece tão verdadeira e necessária que considero deslealdade e covardia para com Deus, com minha consciência e com meu povo permanecer mais tempo indecisa”. 

As mulheres na Reforma propagaram uma religião de amor: sem debates ostensivos, sem rituais e sem violências. Elas contribuíram com amparo aos perseguidos, visitas aos presos, cuidados dos doentes e necessitados. Intelectualmente também cooperaram com seus panfletos, poesias, cartas, contos e pregações sobre a salvação pela fé.

Essas mulheres do passado nos inspiram sobremodo por sua criatividade, discernimento, conhecimento bíblico e teológico e, principalmente, por seu grande amor ao Reino de Deus.

• Rute Salviano é licenciada em Estudos Sociais, bacharel em Teologia (especialização em Educação Cristã), mestre em Teologia (concentração em História Eclesiástica), pós-graduada em História do Cristianismo pela UNIMEP e autora de Uma Voz Feminina na Reforma, Uma Voz Feminina Calada Pela Inquisição e Vozes Femininas no Início do Protestantismo Brasileiro, publicados pela Editora Hagnos.


ultimato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba no seu e-mail informações de Presentia

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...