quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Ricardo Gondim - O mundo agoniza

A televisão gasta longos minutos na conquista do título mundial de Fórmula I. Estatísticos se debruçam sobre as chances dos candidatos a presidente dos Estados Unidos. As bolsas sobem e descem. O mercado vira jogatina. O capitalismo neoliberal se assume como cassino.
Ao mesmo tempo, milhões – literalmente centenas de milhões – , agonizam mundo a fora. A lista dos países em conflito ou no abismo da banca rota, esfrangalhados, chega a ser longa demais. Enfada citá-los todos. Síria, Darfur, Iraque, Congo, Líbia e Afeganistão encabeçam.  Famílias inteiras se jogam no mar, andam léguas e léguas, fogem da carnificina. Mas, sem terem para onde ir, escapam para morrer afogados numa travessia suicida. Convivemos com uma catástrofe bíblica, épica. Mais uma nódoa na novíssima, e já triste, história do século XXI.
Não é possível continuar assim. O mundo se desequilibra. Segue penso. A beira do abismo desmorona, arrastando milhares ao buraco. Só não é possível entender a atitude cínica dos países ricos. Em meio a tanto desdém, diante da morte estúpida e desnecessária de milhões, como querer curar gangrena com band-aid?
Por que os ingleses não tomam a iniciativa e fazem alguma coisa? Eles foram os maiores responsáveis pelo retalhamento político do Oriente Médio e da África. Por que os Estados Unidos não pressionam as Nações Unidas?  Eles não titubearam quando acharam necessário invadir o Iraque. Por que a França, que rapinou sem escrúpulos suas colônias, não convoca uma força tarefa para acabar com a mortandade de inocentes?
Eu não consigo mais assistir mesa redonda, que discute lance polêmico de campeonato de futebol. Não tolero ler frase infantil e infantilizante que se pretende “espiritual”. De repente o rosto de milhares de meninos e meninas parece me encarar desde as ruas bombardeadas em Homs. Não apago o desespero de quem perambula só com a roupa do corpo por estradas bem pavimentadas da Escandinávia. Algo tem que ser feito. Não sei como, o quê… Alguma luz precisa brilhar em nosso horizonte, turvo com as lágrimas de inocentes. Em minha impotência, me sinto desafiado, fustigado. Mas, o que fazer?
Resolvi gritar. Decidi inquietar os que me leem. Não posso calar quando o mar pede socorro. Não saberia brincar com amenidades se meu coração bate descompassado. Quero a poesia mais dolorida que houver, a melodia mais pungente que o violino pode tocar, o ritmo mais cadenciado que o sino dobra. Em meio a tanto sofrimento, que eu não me assente na roda de quem escarnece da sorte de meus irmãos. Eles não pediram para nascer no meio do inferno.
Quero acabar com a indústria bélica. Sonho com uma sociedade sem ódio religioso. Cogito um mundo sem a lógica neoliberal, que privilegia o capital e a competência. Não posso. Sou apenas um cisco no celeiro dos grandes. Resta-me oferecer o ombro às comunidades islâmicas que abrigam os refugiados que chegam a São Paulo. Faço o que posso: junto donativos – prato, toalha, cobertor, roupa, sapato. Quem chega com a roupa do corpo possa, pelo menos, tomar banho. Mobilizo algumas pessoas rumo à compaixão. Me assumo como evangelista dos bons gestos.  E ainda procuro decorar Castro Alves:
Senhor Deus dos desgraçados! 
Dizei-me vós, Senhor Deus! 
Se é loucura… se é verdade 
Tanto horror perante os céus?! 


Soli Deo Gloria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba no seu e-mail informações de Presentia

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...